EM MANUTENÇÃO

terça-feira, 19 de junho de 2012

Olha quem Voltou

Pois é. Temos estado há muito tempo fora, mas agora em conversa com uns amigos, eles desafiaram-nos a continuar aqui o blog. E ao virmos cá reparámos que havia umas quantas perguntas no formspring por responder, pelo que essa vai ser a primeira acção no nosso regresso.
Então cá vai:


P: Ola, gostam de aventuras a 3? mandem mail para ***********@sapo.pt

R: Gostamos de fantasiar, o que à partida é um primeiro passo para a situação acontecer... quem sabe um dia... ;-)


P: i love to hav sex weth big ladisy

R: Good for u... :-) - And... i don't think that i'm so big... rsrs


P: my name is mark 20age whod u hav sex wet me

P: sorry... but it's not enough to know u... :-(


P: para quando um menage com outro homem?

R: No real: Quem sabe... um dia destes.
    No blog: já existem algumas histórias...


P: Terra o achas de depilar sua ratinha? se fizeres posta a foto

R: Acho bem... até pq neste momento ela está completamente depilada. Irei fazer uma foto, e postar no blog, o que será um regresso ao blog, que está há muito abandonado.



P: Gostaria de trocar links com meu blog? www.pussyloverbrazil.blogspot.com


R: ok... pode ser




Sabemos que agora não temos muitos seguidores, mas pode ser que voltem. E quando voltarem, coloquem as vossas perguntas e sugestões, ou então, muito importante, comentem. São os vossos comentários que nos incitam e inspiram para novas postagens. Portanto pessoal vamos lá....
E para animar a coisa... uma foto da Terra muito actual:


quarta-feira, 11 de agosto de 2010

Continuação...

Mais algumas fotos daquela tarde.... mmmm.... quero mais...

Pois, aqui também é antes...

...e mais uma...

Bem... esta é já durante... he he he... mmm tão bom....

Claro que o durante não foi registado, como já disse no post anterior...

Mas o depois foi... em pleno descanso... acho que se olharem bem se consegue ver a minha passarinha a fumegar... Estava em brasa.... uiiiiiiiii....


Bom, e por fim vou deixar aqui um "close up" para os meus amigos e amigas fazerem alguma brincadeirinha que vos apeteça, e mandarem para o nosso mail o resultado... vá lá, sejam bonzinhos e boazinhas, e criativos, pois com certeza haverá mais....
  É toda vossa... he he he

Beijões doces...

segunda-feira, 9 de agosto de 2010

Uma tarde maravilhosa...

Olá amigos.
Hoje vou colocar algumas fotos bem recentes. Este fim de semana correu bastante bem.
Só nós dois, a desfrutar em pleno...
Aqui ficam umas fotitas aqui da Terra... Antes de levar com o Mar... rsrsrs

Na pose...

Que dizem???

Esta é a parte que põe o Mar revolto....

Vista geral.

E a partir daqui... esqueceu-se to trabalho de fotógrafo... he he he

E como tal, do resto da tarde, não há registo fotográfico... apenas mental. E esse é de uma tarde maravilhosa.

Beijos... e comentem, sugestionem, o que quiserem.

terça-feira, 3 de agosto de 2010

À Noite na Piscina 1

Olá amigos. Obrigado pelos vossos comentários, mas gostaríamos que houvesse mais participação. Não se acanhem, e falem conosco. As vossas opiniões, pensamentos ou pedidos são muito bem vindos, e são eles que nos dão vontade de continuar. Se quiserem enviar emails, também podem, pois o nosso mail está mesmo aqui ao lado.

Feitos os agradecimentos, vamos ao que interessa.

Naquela noite quente, estávamos nós sozinhos em casa, pois os miúdos tinham saído para uma festa, e nós aproveitámos para relaxar na piscina, só os dois. A zona é bem reservada, pelo que podemos estar sempre à vontade, ou seja, não há fatos de banho. Claro que sempre que estamos sós na piscina, as coisas acabam por aquecer, pois o roçar dos corpos molhados no meio das brincadeiras leva a que os banhos se tornem maravilhosos...


Estávamos nós já bem quentes, entre beijos, apalpões e chupadelas, quando a campainha de entrada toca. Que raio de hora para aparecer alguém. O primeiro pensamento foi em não abrir, e deixar tocar, mas dada a insistencia, lá fui abrir. Enrolei uma toalha à cintura, enquanto a minha Terra saiu da piscina e enrolou também uma em volta de si, esperando nós que não fosse nada demorado.
Fui à porta, e ao olhar pelo óculo fiquei de imediato bastante agradado. Era um casal nosso amigo que havia já algum tempo não viamos, e que tinham tido a brilhante ideia de nos fazer uma surpresa. Abri a porta, e justifiquei-me da minha indumentária. Claro que eles não se importaram. Diga-se pois que este casal era amigo de outras "festas", e vamos agora chamar-lhe Mariana e Ricardo.

Entraram, e eu disse-lhe para irmos até lá fora, pois a Terra estava na piscina. Ao vê-los, ela cumprimentou-os, e olhou para mim com sorriso malandro na cara. Eu entendi a sua expressão. Claro que os convidei logo para um banho, ao qual eles acederam prontamente, ressalvando no entanto que não tinham fatos de banhos.

A Terra olhou para eles, e como que por magia, a toalha que ela tinha enrolada a si caiu pelo chão revelando as suas deliciosas formas, ao mesmo tempo que com um grande sorriso maroto lhe dizia: - E isso lá é problema...

Eu segui o seu exemplo, retirei a minha toalha e disse-lhes: -Vá vamos lá, que a água está óptima.

Mariana, sem hesitar despiu a camisa, deixando o seu grande e belo par de mamas a pedir liberdade. O que não tardou mesmo nada. Ela é também uma mulher muito bonita, de formas generosas e sensuais. Ricardo seguiu-lhe os actos com um grande sorriso: - Vocês estavam à nossa espera, é??? Como adivinharam que vínhamos??
- É o nosso sexto sentido...

A Terra entrou logo na água, e deitando-se de costas disse: - Vá venham lá que está óptima...
Nesta posição revelou os seus seios, que boiavam como duas grandes boias.  O pequeno rego de pelos da sua ratinha evidenciava-se na sua pele bronzeada.
- Está óptima está, e não é só a água... respondi-lhe eu.
- Ui se está... Estás linda. Acrescentou Ricardo.
- Hummm, obrigado meus queridos... Vocês são uns amores, mas olhem aqui a menina Mariana, ela sim está maravilhosa.

Respondeu a Terra, dando a mão a Mariana para a ajudar a entrar na água. Esta foi entrando devagar, e embora a noite estivesse quente, os bicos das suas mamas espetaram-se erectos ao contacto com a água.
A luz da piscina iluminava os seus corpos brilhantes, num jogo de sombras e luz.
Eu entrei na água, e mergulhei em direcção a Terra, e vindo de baixo até cima, percorri o seu corpo molhado, desde as suas coxas, passando pelos seus seios fartos e erectos, e abraçando-a, beijei-a, ao mesmo tempo que lhe segredei ao ouvido:- humm... esta noite promete...
- Humm humm... Yep... Parece que sim...
respondeu-me ela com aquele ar maroto...


(Continua)

(Imagens retiradas de:  
http://www.imagefap.com/image.php?id=1548862854
http://www.imagefap.com/image.php?id=1581562700)

domingo, 1 de agosto de 2010

My bOObs

Olá amigos.
Gostei muito dos comentários ao ultimo post.
(...)Quem sabe, não é???
Bom então vou presentear-vos com umas fotitas (poucas, pois não tem havido tempo), para que vocês me digam se gostam e o que gostariam de fazer com elas. Elas, as minhas gémeas... he he he.


Pedindo liberdade...

Uma já está...
AAAhhh.... finalmente livres....

BEIJOS....

domingo, 27 de junho de 2010

Ele há coisas!!!!

Nem de Propósito.
No mesmo dia em que o meu marido terminou a história da piscina aqui no blog, aconteceu uma coisa sensacional.
Nesse dia, logo pela manhã, e depois de oferecer umas frutas que trouxe lá do pomar a umas pessoas amigas, elas retribuíram, e ofereceram-me um pepino. E que pepino. O raio do vegetal era enorme. Grande e grosso. Quando senti aquilo nas minhas mãos deu-me uma imensa vontade de rir, com as coisas que me passaram pela cabeça.
Quando as pessoas saíram, analisei bem aquele objecto fálico, e imaginei que entrava no país das maravilhas: Ora aqui está um tamanho que agradaria de experimentar. E como estes pensamentos já eram muito explorados entre nós, ao passar as mãos por aquela enormidade, comecei a ficar excitada.

Imaginei-me com um negrão, não muito musculado, mas com o corpo bem definido, que pega em mim com umas mãos enormes, deita-me na cama, despe-me e percorre o meu corpo com os seus lábios carnudos. O meu doce marido ajuda-o a despir-me, e observa tudo sem perder pitada. Eu estava já completamente encharcada quando ele chega à minha rata e lambe-a deliciosamente, fazendo-me vibrar de tesão. A sua língua enterra-se em mim, enquanto as suas enormes mão me percorrem o corpo, apertam-me as mamas, beliscando-me os mamilos. Em seguida, eu gulosa, coloco o seu pau nas minhas mãos, apreciando aquela bela verga (tal qual o meu pepino, em dimensão).
Tento metê-lo na boca, mas revela-se deveras difícil, dado o diâmetro da sua enorme cabeça. Mas por fim lá consigo. O meu marido lambia-me a ratinha tão deliciosamente que acabo por me vir.
Estava então preparada. Era o caminho para a realização de uma grande fantasia. Sentei-me naquele enorme pau, e senti-o deslizar para dentro de mim, abrindo caminho pela minha destroçada coninha. O meu marido enfiava então o seu pau no meu cuzinho, preenchendo-me completamente. Claro que não aguentei muito, e gozei... gozei que me fartei...

Nesta altura dos meus pensamentos, os leitores adivinham por onde já andava o pepino, que acabou por ter uma finalidade um pouco diferente da prevista... Foi cá uma salada... E aí gozei mesmo...

O curioso disto tudo, é que quando à noite vim ver o blog, eis que me deparo com o texto do meu marido... Que coincidência... ou talvez não. Será prenuncio??? Quem sabe. Será que há por aí algum negrão simpático que nós venhamos a conhecer??? Que fique seduzido por isto aqui:


Fica o repto...

Ah... e já agora, se tiverem sugestões, pedidos, ou algumas questões que me queiram colocar, estão à vontade, pois terei o maior prazer em satisfazer os vossos pedidos.
Beijões.

quarta-feira, 23 de junho de 2010

Registo de uma tarde muito, muito, muito bem passada...

Tudo começou com esta vista deliciosa.


Ela estava majestosa, provocante e deliciosa. Como sempre, pois então.


Bem quente...


Ui este rabo... É a minha fraqueza.


Tivemos uma ajuda que ela tanto adora.

Bem... depois foi...aliás, foram, momentos lindos e maravilhosos. Mas esses não houve tempo para registar. Se os leitores pedirem muito... em próximos "post's" poderão aparecer...


A meio um pequeno descanso.



E por fim o descanso do guerreiro. Hummm....
Quero mais tardes como esta. Muitas, muitas, muitas mais...

sábado, 19 de junho de 2010

Voltámos.... com muito para contar. (Continuação)

Eu cheguei perto, e ajudei a espalhar o creme nas tuas costas.
- Diz aqui ao nosso amigo qual é o teu grande desejo.
- Nós somos swingers, e eu tenho um desejo enorme de estar com um negro, pois sei bem da fama que têm quanto aos seus dotes. Gostava de saber se é mesmo verdade.
- Com certeza não se irá desiludir.
Respondeu o tipo. Ao mesmo tempo deitaste as mãos aos seus calções, para te certificares. A tua cara era um misto de espanto e alegria.
- Uau... Parece bem que não.
Ele levantou-se, e tu puxaste os seus calções para baixo, deixando a descoberto um enorme pau, que impressionava pela grossura.
- É enorme!!!!!  Ai meu deus...
Exclamaste tu, enquanto o dirigias para a tua boca. Abocanhaste-o, mas apenas conseguias engolir aquela enorme cabeça. A tua mão agarrou-o, mas também não era suficiente. Auxiliaste com a outra, enquanto o admiravas. Fazias os possíveis para engolir aquele enorme caralho.
 - Então, agrada-te? Achas que faz justiça à fama? - Perguntei-te.
- Ui se faz... É enorme. Não sei se consigo... É mesmo enorme!!!!
- Claro que consegues minha linda.... Vou-to meter todinho, e tu vais adorar... Vou-te foder como nunca foste fodida... - respondeu-te ele, batendo-o na tua cara. Tu agarraste de novo com as duas mãos, e meteste aquela enorme cabeça negra na boca, chupando avidamente. Percorreste-o desde a base até à cabeça com a língua, numa viagem que parecia não ter fim. Deliciavas-te com aquele enorme caralho negro.
Eu tirei-te a tanguinha, e mergulhei no meio das tuas pernas. Tu estavas encharcadinha. A tua rata escorria de desejo. Eu lambi-a como sei que tu gostas, e tu gemeste baixinho, fazendo um som abafado por o pau do mulato. Enfiei-te dois dedos, sentindo o fogo que emanava de dentro de ti. Ele continuava a foder-te na boca, com pequenos movimentos.

Trocámos então de posições, e foi a vez dele te lamber essa coninha tão doce. Tu gemeste, enquanto engolias agora o meu pau, o que de certa forma te dava algum descanso aos maxilares, pois não tinhas de abrir tanto a boca. A tua língua lambia-me enquanto o enfiavas todo na tua boca.
Ele ajeitou-te na cadeira, abriu-te as pernas e apontou aquela vara à porta da tua coninha. Pressionou, e ela foi-se abrindo, deixando aquele caralhão enorme deslizar para dentro de ti.
- Aiii, tão grande... rasga-me toda.... devagar... ui... devagar... isso.... mmmm...  é enorme...
Gemias tu baixinho, enquanto ele metia em ti, iniciando devagar um vai-vem que fazia com que aquele pauzão entrasse cada vez mais na tua coninha toda arregaçada.
 Tu gemias, e pequenos grunhidos descontrolados saiam da tua garganta. Aquele caralhão enorme estava rebentando a tua ratinha. A tua cara transmitia o enorme prazer que aquele mulato te estava a proporcionar. Explodias em orgasmos que faziam tremer o teu corpo descontroladamente.
Ele tirou o pauzão de ti, deixando a tua coninha toda aberta, sentou-se e pediu-te que tu o montasses. Tu sentaste-te no seu colo, pegaste aquela vara e encaminhaste-a para a tua gruta, deslizando por ela abaixo, recebendo-a toda em ti, até desaparecer por completo. Fechaste os olhos e saboreaste aquele momento de preenchimento completo. Rebolavas e montavas naquela vara como uma verdadeira puta.
- Ohhh que bom.... tão grande... hummm... enche-me toda... que sensação maravilhosa....
Gemias, e enquanto me chupavas, eu ia massajando o teu rabo. Ainda não estavas toda preenchida.

Fui para trás de ti, e apontei o meu pau à entrada do teu rabo. Agora ias ficar completamente preenchida. Pressionei. A entrada era dificil pois a vara do mulato preenchia muito de ti. Mais um esforço e o teu rabo começou a ceder. Foi-se abrindo enquanto tu começavas a gritar.
- Aiiii... sim... fode o meu rabo... encham-me toda com esses caralhões... uiiii tão bom...
Eu podia imaginar como te estavas a sentir, pois sentia o meu pau bem apertado no teu cu, e apertava bem mais a cada estocada daquele negrão. O teu corpo estremeceu violentamente com um (ou mais) intenso orgasmo, que te deixou completamente descontrolada.
Aquela imagem transmitia-me a mim uma prazer imenso. Ver-te a gozar intensamente, com aquele pau enorme dentro de ti. As suas mãos enormes nas tuas nádegas, apertando-as, batendo. Estavam vermelhas das palmadas. Puxei-te os cabelos, e vim-me no interior do teu rabo.
Sentei-me ao vosso lado, e beijei-te.
- Isso minha puta... goza nesse pau negro enorme. Gostas de comer esse pau, não gostas???
- Mmmm.... Sim... é tão bom... Bem bom este caralhão...
Tu deitaste a cabeça no meu colo e chupaste-me. Do teu rabo escorria o meu leite. O mulatão colocou-se atrás de ti, e voltou a enfiar o seu mastro na tua coninha completamente arregaçada. Tu descansavas a tua cabeça no meu colo, enquanto eu abria as tuas nádegas para aquele caralhão te comer em grande. Era delicioso ver aquele pauzão preto desaparecer por completo por entre as tuas nádegas, para depois voltar a aparecer. As suas estocadas começaram a aumentar de intensidade, fodendo-te com força. Tu gemias e gritavas ao mesmo tempo, descontroladamente, apertavas a minha perna, cravando-me as unhas nela.

- Vai fode com força. Fode esta coninha boa. Faz a minha putinha vir-se com força...
- Fode... força,.... ahhhhhh.... tão bom..... mmmmm... Fode a minha coninha toda...
E ele bombava intensamente em ti, até tu te deixares cair em cima de mim, extasiada, sem forças.
Mas ele ainda não tinha terminado, virou a tua cabeça desfalecida no meu colo, levantou-a, e colocou a sua verga na tua boca:
- Vá minha linda.... agora vais chupar este caralho preto até eu me vir. Vais provar o leitinho do mulato aqui...
E tu, já sem forças, apenas te limitaste a abrir a boca para receber aquela enorme tora. Ele fodia agora a tua boca, ao mesmo tempo que se punhetava. Não tardou que se retirasse e explodisse o seu gozo pela tua cara, nas tuas mamas, em todo o teu corpo ardente de tesão.
- Mmmm.... Que bela foda!!!! Estou completamente arrebentada.... - Suspiraste tu enquanto esfregavas o leite do mulato pelo teu corpo, chupando por fim o dedo, e com os olhos semi-cerrados deixaste-te cair de novo no meu colo...

-Gostaste minha linda??? Aqui do cacetão do nosso amigo??? Temos de o contratar em exclusivo para dar assistência à piscina, não?
- Sempre às ordens. É um enorme prazer vir dar assistência à piscina. - Respondeu ele com ar de satisfação.
The end (or not)


(Esta história é pura ficção, mas bem pode vir a tornar-se real.... he he he)

quinta-feira, 17 de junho de 2010

Voltámos.... com muito para contar. (Continuação)

Ele cumprimentou-te, e tu retribuíste com um sorriso. Eu também sorri ao reparar na dificuldade que o tipo tinha em retirar os olhos de ti enquanto falava comigo. Foi para a casa das máquinas, olhou, verificou, e depressa concluiu que estava tudo bem.
 Tu levantaste-te e perguntaste se ele queria tomar algo. Claro que queria, e não era só uma bebida com certeza.

Quando tu te afastaste para ir buscar as cervejas, os seus olhos devoravam-te. Voltaste com três cervejas geladinhas que te fizeram os mamilos ficar espetados. Seria pelo frio das cervejas??? Deste-nos a cerveja, e ele agradeceu, e aproveitou para te lançar um elogio. Tu agradeceste, com um olhar malandro. Eu concordei, e agarrei-te pela cintura, puxando-te para mim, vinquei que eras realmente uma deusa, e dei-te um beijo.
Ele sorriu, acenando, e eu convidei ele a sentar, enquanto tomava a cervejinha. Ele dirigiu-se à mesa, e eu levei-te, deitando agora aminha mão à tua nádega, que apertei, enquanto te perguntava: agrada-te?
Tu sorriste para mim, e acenaste que sim, com cara de "sacanagem"... Os bicos das tuas mamas continuavam espetados, dando a entender que aquela situação, em top-less diante daquele mulato, também te estava a excitar.
Enquanto bebiamos a cerveja, eu recebi um telefonema, pelo que tive de ir procurar umas coisas dentro de casa, e vocês ficaram os dois em animada conversa. Claro que a minha saída foi encenada, mas tu aproveitaste a deixa, e pediste logo ao rapaz para te colocar um pouco de protector nas costas (o tipico...).
Ele, claro, aproveitou a deixa, e seguiu logo atrás de ti (sem tirar os olhos do teu rabo).

Tu ajeitaste a toalha na espreguiçadeira (com o rabo bem na frente dele), e deitaste-te de costas para cima. Ele espalhou o creme pelas tuas costas. Começou pelos ombros, deslizando para baixo, percorreu-te até à cintura. Foi-se aventurando para as laterais do teu corpo, fazendo agora o trajecto inverso. Subiu pelas tuas costas, chegando a tocar nas tuas mamas esborrachadas pelo teu corpo. Num percurso de sobe e desce, foi-se aventurando, até às tuas ancas, chegando a tocar ao de leve nas tuas nádegas roliças. Tu ao sentires o seu toque, fizeste um movimento com a cintura de encontro às suas mãos, ao mesmo tempo que viraste a cabeça para lhe dizer que estava tudo bem. Não havia problema e podia estar à vontade. Nesse momento apareci, e para sossegar a sua cara de espanto, disse-lhe também que não havia problema. Estava tudo bem,  e podia continuar. Ele entendeu, e começou a espalhar o creme pelas tuas nádegas, descendo pelas tuas pernas, e fazendo o percurso inverso pelo seu interior. Já dava para ver a sua artilharia a querer libertar-se.

(Continua)

quarta-feira, 9 de junho de 2010

Nova funcionalidade - Blog interactivo

Olá amigos. Depois de tanto tempo sem fazer nenhum post, vamos tentar agora dinamizar o blog. Já fizemos algumas alterações, pelo que colocámos uma nova funcionalidade (aqui ao lado) que se chama "FAÇA-NOS UMA PERGUNTA".
Poderão os nossos visitantes fazer-nos perguntas, sugestões, colocar-nos desafios, enfim... o que quiserem. Nós iremos colocar aqui as respostas o mais breve possível.
Esta também é uma forma de vocês nos manterem interessados, pois o vosso contributo é deveras importante para o andamento deste blog. Desta forma nós tentamos satisfazer os vossos pedidos, e vocês interagem conosco. Quem sabe não dará frutos....

Vamos lá a participar amigos.

O que eu amo... O que eu gosto de satisfazer.

Eu amo este peito...


Eu amo estas mamocas..



Eu amo este corpo....



Eu amo este corpo.... e adoro satisfazê-lo... de qualquer maneira. De qualquer jeito...


sábado, 5 de junho de 2010

Voltámos.... com muito para contar.

Pois é. Voltámos. E neste interregno muita coisa se passou. Pelo que há também muito que contar. E para começar em bem e voltar a cativar os leitores que entretanto se afastaram, vamos começar por contar a o que se passou quando foram feitas as obras para a piscina na nossa casa de campo .
Enquanto as obras decorreram, eu reparava como os gajos que trabalhavam lá olhavam para ti quando passavas perto. Eu também reparava como tu aparecias na frente deles, e como te apercebias e apreciavas os seus olhares. Eu sei bem como gostas de ser apreciada. Se os olhos comessem, minha linda, tu eras bem devorada. E tu que tanto gostas de ser comida. E eu que tanto gosto de te comer.
Por aqueles dias, vi como tu vestias uns calções apertados, que evidenciavam a tanga que te define tão bem esse rabo empinado. Vi também como te agradava passar por os empregados a perguntar se precisavam de alguma coisa. Desde que te sentisses admirada. E com certeza muito desejada. Mas isso sabes tu.
Nos dois últimos dias ficou apenas um dos empregados, pois eram os trabalhos finais de limpeza, e tu, muito prestativa, como sempre a ver se precisava de alguma coisa. É claro que o que ele precisava todos sabíamos.
E o que tu gostavas de receber pela tua amabilidade também eu sabia.

O tipo era um rapaz de cerca de vinte e poucos anos, mulato, de certa forma musculado, e com o corpo bem definido. Com o calor ele vestia apenas uma T-Shirt e uns calções de praia que lhe deixavam adivinhar a sua artilharia. E isso também não te passou desapercebido. Eu sei como te agrada um negão, como te excita a sua pele negra, como gostas de um pau grande preenchendo-te completamente. Pois é. E como eu sei isso tudo, também me excitava aquele jogo. E tratei de arranjar a coisa. Disse-lhe se poderia vir no fim-de-semana seguinte, que a piscina já estaria cheia, para ver se tudo estaria a funcionar correctamente, e se não haveria problemas. O tipo respondeu que viria sim, até porque isso fazia parte do serviço.

Chegou o fim-de-semana, e tu aproveitaste para trabalhar para o bronze, à beira da piscina. Vestiste uma tanguinha, e sem a parte de cima do bikini deitas-te-te numa espreguiçadeira.


Era majestosa a visão do teu corpo meio transpirado meio oleado com o creme protector, brilhando ao sol. A campainha da porta tocou, e eu fui abrir. Era o mulato da piscina que vinha ver se estava tudo ok. Eu disse a ele para entrar, e verificar por ele próprio, pois a mim parecia-me que estava tudo perfeito. Tua ao veres ele entrar, ficaste meio sem jeito, mas eu fiz-te sinal para te deixares ficar na boa, sem problemas. Os olhos dele é que quase saíram de órbita quando te viram deitada, sem soutien a apanhar sol.



(Continua)

quinta-feira, 9 de outubro de 2008

De regresso


Olá amigos e amigas.
Voltámos.
A ver vamos, se haverá disponibilidade, inspiração, vontade, enfim... tudo o que é preciso para que se faça um blog.
Para já começámos por mudar as vistas cá do sitio... esperamos que gostem, e que digam de sua justiça...
Para esta nova etapa, pedimos ajuda aos leitores, e como, perguntam vocês?
Bem, pensamos que vocês também poderiam participar, dando ideias, sugestões, qualquer coisa. Nós compensa-mo-vos, começando por pôr aqui uma foto da Terra, na água, e de outras formas que possam surgir.
Cá vos esperamos... Esperamos que muitas vezes.
Beijos

quarta-feira, 20 de fevereiro de 2008

Do Pesadelo ao Sonho

Começo este relato por dizer que nem tudo o que parece é. Muitas vezes somos enganados pelas aparências, e eu bem posso dizê-lo, pois vivi um episódio estranho, que começou por ser muito desagradável, e que se veio a revelar uma experiência inesquecível.
O meu marido, que tem tido algum sucesso na sua vida, tornou-se um alvo perfeito para vigaristas e todo o tipo de gente mal intencionada e que adora o lucro fácil.
Numa tarde como tantas outras, em que vamos dar uma volta pela praia, fomos abordados por dois homens, que usando de alguma violência intimidatória nos "convidaram" a segui-los. O pior é que fomos raptados como viemos ao mundo, pois como somos praticantes de nudismo, e quando temos oportunidade gostamos de passar os fins de tarde a passear numa praia isolada que não fica muito longe da nossa casa, e onde é hábito encontrarem-se outras pessoas a desfrutar desse prazer tão mal compreendido, a sensação do vento a bater na pele nua, e a sensação de liberdade que a ausência de roupas nos proporciona. Claro que aproveitamos a situação para uma carícias, e por vezes, quando não há ninguém em redor, mais qualquer coisita...
Mas não foi o caso, e eu fiquei bastante embaraçada, e fazia o que podia para me tapar, até porque vi perfeitamente o olhar guloso que eles me lançaram, percorrendo o meu corpo de alto a baixo. Estranhamente, aqueles olhares excitaram-me. Fizeram-nos entrar no carro deles, e levaram-nos para uma quinta isolada, onde fomos recebidos por uma mulher que deveria estar na casa dos quarenta, bronzeada, e com uma fisionomia que faria inveja a muitas meninas de 18 anos. Usava uns calções curtos que desenhavam as linhas do seu rabo. Reparei no olhar do meu marido, que nem tentou disfarçar. Ela também percebeu, pois sorriu matreiramente. Fomos despejados numa sala, e foi-nos dito que tínhamos sido raptados, que iriam pedir um resgate, e que tínhamos de nos manter calminhos, que nada nos aconteceria de mal. Sentá-mo-nos num sofá, e eu fiquei muito juntinho do meu marido. Em fronte a nós ficou a a mulher, que se sentou numa cadeira, cruzando as pernas, mostrando umas coxas muito bem delineadas, e embora eu estivesse cheia de medo, dei por mim a observá-la. Ela estava a ler uns papeis mas adivinhou os nossos olhares, e reparou nos bicos rijos das minhas mamas, assim como na erecção que o meu marido tentava esconder.
Com aquele sorriso trocista perguntou-me se tinha frio e queria que ela me aquecesse. Fiquei muito corada por ter sido apanhada em flagrante, mas ao mesmo tempo dei por mim a desejar que ela me acariciasse, e vice-versa. O assunto já tinha sido falado com o meu marido, e embora ambos quiséssemos, ainda não tínhamos tido coragem de seguir em frente com aquelas fantasias. Deixem que vos diga que a mistura de emoções era explosiva. O desejo misturado com o medo da situação em que nos encontrávamos fez o resto. Olhei para o meu marido e não foi preciso dizer nada. Ele percebeu o que se passava, e acenou com a cabeça. Devo dizer que o mais difícil foi dizer aquelas palavras - "Sim, tenho frio, vem aquecer-me."
Ela sorriu e não se fez rogada. Avançou na minha direcção, tirando as poucas roupas que lhe cobriam o corpo. Tal como eu suspeitava, o seu corpo era perfeito, firme, com seios grandes e apetitosos. Baixou-se à minha frente e pegando na nos meus seios, começou a chupar-me os mamilos. Foi como um choque eléctrico, que acendeu o forno entre as minhas pernas. Mas ainda era o principio, eu não estava preparada para o resto.
Suavemente, foi percorrendo o meu corpo, beijando-me delicadamente, como só as mulheres sabem. Fechei os olhos e por momentos perdi a noção da situação em que estava. Olhei para o meu marido, e percebi que ele estava deliciado com a observação. Eu sabia como ele gostava de me ver com outra mulher.
Ela então fez-lhe sinal para que se juntasse a nós. Mais uma vez fechei os olhos e comecei a desfrutar daquelas mãos que me percorriam, daquelas línguas que me lambiam, daqueles lábios que me beijavam. Ao reabrir os olhos foi quando reparei que havia um novo elemento que se tinha juntado à festa. Era um dos tipos que nos tinha abordado na praia. Foi então que me vi com dois membros nas mãos, enquanto ela me chupava e lambia o clitóris. Comecei a chupá-los alternadamente. Ela enfiava os dedos em mim enquanto a sua língua me devorava, até eu explodir num intenso orgasmo, que me fez agarrar aqueles paus com toda a força que tinha, e enfiar os dois ao mesmo tempo na boca, como podia. Agora também tinha vontade de a provar a ela, e trocámos de posição, afundando-me no meio das suas pernas, e deliciando-me com aquela ratinha que já estava bem encharcada. Não descansei até sentir o seu corpo arquear-se e ela gemeu roucamente, urrando de prazer. Que delicia.
Eles não estavam parados, e foi então que sem saber bem como, senti um pau rijo que me pressionava por trás, forçando a entrada em mim, o que não foi preciso muito, pois também eu estava bem molhada... Só custou mais porque ele era sem dúvida grande. Eu ainda não tinha tido um pau daqueles a penetrar-me. Eu já tinha reparado no seu tamanho quando o tive na mão e o abocanhei, mas agora... agora era diferente. Ele preenchia-me completamente. Eu estava de quatro, a ser penetrada pelo meu raptor, e... estava deliciada.
O meu marido também estava entretido com aquela mulher, que de quatro o recebia dentro dela. Era uma sensação espectacular, a de ver o meu marido com aquela mulher, enquanto era comida por aquele desconhecido.
Mas não se ficaram por ali, e o meu raptor deitou-se e mandou-me sentar em cima dele. Eu enfiei aquela verga na minha coninha que agora já o recebia com muita mais facilidade. Ele agarrou-me e eu fiquei deitado em cima dele, enquanto ele me comia devagar. Foi então que senti um ligeiro toque no meu rabo. Uma língua passeava-se delicadamente por ele. Era ela que me agarrou nas nádegas, e afastando-as ainda mais me lambia, e por vezes me penetrava no ânus com a sua língua, enquanto o meu marido montava por trás.
Foi então que o meu raptor resolveu proporcionar-me uma foda inesquecível, e disse ao meu marido para a deixar a ela, e dedicar-se também a mim. De inicio não entendi bem o que ele queria dizer com aquilo, mas depressa descobri, pois ele ficou por trás de mim, e começou a pressionar-me entrando no meu rabo, devagar, mas sem dó. Ela dirigiu-se a mim, e acariciando-me os seios e a face, que se contorcia com aquele misto de dor e prazer. Explodi, e aí perdi um completamente a noção do tempo e do espaço, enquanto aquelas duas vergas me arrombavam, ela cuidava de mim com todo o carinho. Depois levantou-se e colou a sua ratinha à minha boca, e eu deliciei-me com o seu gosto, penetrando-a com a minha língua, até ela se vir nela. E foi assim que me vi coberta do seu liquido na minha cara, e no resto o esperma deles os dois que se vieram em mim, encharcando-me por completo.
Eu fiquei deitada no sofá, enquanto ela foi buscar uma toalhas. Depois indicou-me onde era o W.C. e levou-me as roupas.
Quando eu saí da casa de banho, já eles estavam todos vestidos e prontos, e bebiam uns copos de vinho. Todos. O meu marido inclusive. E foi ele que se dirigiu a mim, entregando-me um copo de vinho, e dizendo que esperava que eu tivesse gostado, pois aquilo não passava de uma surpresa que ele me tinha preparado.

quinta-feira, 14 de fevereiro de 2008

As lembranças são...

Como cantavam os Trovante naquele bonito poema do João Gil:
As memórias são
Como livros escondidos n
o pó
As lembranças são
Os sorrisos que queremos rever, devagar
... É de memórias e lembranças que vive esta historia. Esta história que é uma memória. Uma lembrança.
Entre as memórias, ficam vincadas lembranças que recordamos quando menos esperamos. Vêm a nós por intermédio de uma musica, de um toque, de um cheiro...
No outro dia ao entrar numa perfumaria, sobressaiu entre todos os aromas um que fez tocar as campainhas no meu cérebro. Lembrei-me de uma certa noite e do toque de seda de uma mulher. Lembrei-me nitidamente dos arrepios que me percorreram o corpo quando senti pela primeira vez as suas mãos, tocando-me suavemente. A vontade de a tocar também. Lentamente, e um pouco a medo, comecei a tocá-la também, a sentir as suas curvas... nunca pensei que pudesse sentir uma onda de desejo tão avassaladora por outra mulher.
Deixei-me levar num turbilhão de sensações, enquanto ela me tocava nos seios, e eu nos dela. Uns seios lindos, macios como seda, volumosos... que excitação.
Foi então que, sentindo-me mais ousada, comecei a lambê-la nos seios, desci a minha língua pelo seu ventre, e ela guiou-me para a sua gruta húmida e deliciosa. O seu gosto ficou-me marcado na memória. Instintivamente, eu que nunca tinha estado com uma mulher, soube o que fazer. Passei a minha língua delicadamente pelo seu clitóris, suave e ritmadamente, chupando, mordiscando ocasionalmente, ao mesmo tempo que a penetrava com os meus dedos. Mais uma surpresa... Senti que lhe estava a dar um prazer enorme, na maneira como o seu corpo se moldava a mim e me guiava, aumentando o ritmo, implorando-me entre suspiros abafados que eu lhe desse mais. Senti o seu corpo vibrar, na ponta da minha língua, ao toque dos meus dedos. Explodir em ondas de prazer, que a projectavam de encontro a mim.
Foi o cheiro do seu corpo que senti penetrar em mim. Foi aquele odor doce que me transportou de volta àqueles momentos, em que voltei a sentir o toque dos seus dedos no meu corpo, a sua língua me percorreu por inteiro, ali naquele momento fiz uma viagem no tempo. Viagem que foi interrompida pela empregada da perfumaria que me perguntou se estava tudo bem. Respondi que sim, um pouco à deriva. Disfarcei, olhei-me ao espelho e reparei que os meus olhos brilhavam. As faces estavam rubras e queimavam. Estava em chamas. E não era só a face, posso garantir.

Terra (a recordar)

(Imagens retiradas da Net)

sexta-feira, 16 de novembro de 2007

Mais Filme.

Bem... estão aqui alguns links do filme.
Se alguém souber como o conseguir, agradecíamos. Mas tem de estar legendado pelo menos em Inglês...
http://www.youtube.com/watch?v=0gI_rqO9HgE&feature=related
http://www.youtube.com/watch?v=BmjC_7a4aG4&feature=related

Swingers - The Movie.


Voltámos... Após um pequeno interregno.
Durante este tempo em que não escrevemos no blog, dedicá-mo-nos a fazer umas pesquisas, e enquanto dávamos umas voltas por este interminável mundo que é a web, demos com o site deste filme, que nos chamou a atenção. Estamos fartos de procurar, pois gostávamos de o adquirir, mas ao que parece está esgotado. Que pena....
O filme é Holandês e que parece ser interessante... isso parece.
Ainda encontrámos uns no ebay, mas ao que nos pareceu não estavam legendados... pelo menos em Inglês... É que em Holandês não dá mesmo para apanhar nada...
Vou tentar meter aqui mais algumas imagens do filme em posts seguintes... se conseguir. :-)

sexta-feira, 7 de setembro de 2007

Porto-Seguro, Parte II

Diana deitou a cabeça para trás, desfrutando do toque da tua lingua no seu corpo: -Então não pares.- Disse-te, ao mesmo tempo que voltou a guiar-te em direcção dos seus seios redondos.
Nós olhámos um para o outro, sorrindo.
- Isto é lindo.- Disse eu para o Carlos. Ele concordou, enquanto enchia de novo os nossos copos, e ficámos ali a apreciar aqueles dois corpos a acariciarem-se mutuamente, numa dança plena sensualidade e partilha de prazer.
- E que tal se nos juntássemos a elas?- Solicitou Carlos, esvaziando o seu copo de uma vez. Eu acenei concordando, mas demorei alguns instantes, de modo a poder apreciar agora a partilha em forma de trio.
Ele chegou perto de Diana e beijou-a, enquanto Tu lhe beijavas os seios. Apercebendos-te da chegada de Carlos, Tu unis-te-te a eles entrelaçando as vossas linguas num beijo a três. Foi depois a vez de Diana vos deixar unidos naquele beijo, e pegando nos Teus seios juntos entre as suas mãos, lambeu-os gulosamente, passando a sua lingua em volta dos mamilos enrijecidos pela excitação que Te percorria o corpo.
Eu aproximei-me de vocês, e peguei em Ti por trás, fazendo as minhas mãos percorrerem as Tuas ancas, a Tua cintura, e dirigirem-se para os Teus seios que agarrei com força, apertando-os entre os meus dedos. Nesta altura já Diana percorria a Tua barriga com a sua lingua, explorando o Teu umbigo, a Tua cintura, numa descida progressiva e lenta. Ao mesmo tempo as suas mãos puxavam a Tua saia curta para baixo, deixando as Tuas nádegas desnudas na minha frente. Para si abria-se agora uma nova frente a explorar, e a sua lingua não perdeu tempo, percorrendo a linha da cueca de ambos os lados, e descendo até às coxas. Tu fazias movimentos descontrolados, empurrando o Teu rabo contra o meu sexo já rijo e enclausurado pelos calções, ou rebolando as ancas para a frente na direcção da boca de Diana, ao mesmo tempo que deitavas a cabeça para trás, oferecendo-me o Teu pescoço que eu beijava carinhosamente. Carlos perdia-se nos Teus seios quando eu senti que me puxavam os calções para baixo, libertando o meu sexo daquela prisão, e a mão de Diana envolveu-o delicadamente, guiando-o para o calor da sua boca, onde desapareceu por completo.
Carlos por sua vez já tinha baixado a Tua tanguinha, e lambia gulosamente o Teu sexo, o que fazia com que Tu encostasses a Tua cabeça em mim, desfrutando das sensações que a lingua dele Te provocavam. Eu beijei-Te enquanto Te apertava os seios com uma mão e com a outra segurava a cabeça de Diana que estava entretida a chupar o meu sexo.
Diana levantou-se, beijou-me a mim e depois a Ti, e ficaram a acariciar-se mutuamente, enquanto eu desci pelo seu corpo, passando pelos seus seios, mordendo os mamilos espetados, passando pela barriga e afundando-me no meio das suas pernas, naquele recanto delicioso do seu corpo feminino, envolvento o seu clitóris com a minha lingua, ao mesmo tempo que um dedo se ia perdendo no seu interior. Vocês gemiam baixinho, e entrelaçando as vossas linguas num beijo molhado. As vossas mãos percorriam os corpos uma da outra, enquanto nós degustávamos os sucos dos vossos corpos.
Os Teus gemidos começaram a tornar-se mais descontrolados, e eu percebi que já não demoravas a vires-te, e metendo dois dedos no sexo de Diana, aumentei o ritmo dos movimentos, enquanto chupava e lambia o seu clitóris. Senti o seu corpo a vibrar, enquanto apertava as suas coxas, explodindo também ela num orgasmo ao mesmo tempo que Tu.
Vocês colocaram-se então de quatro, viradas de frente uma para a outra, e nós penetrámo-las. Eu via a Tua cara de prazer a receber o sexo de Carlos dentro de Ti. Tu olhavas-me nos olhos enquanto enquanto eu me afundava em Diana, e ficámos ali ligados um ao outro pelo gosto inexplicável de partilhar momentos únicos, naquela praia deserta, naquele lugar mágico...
Vendo-te a rebolar no sexo de Carlos, enquanto as suas estocadas provocavam em ti movimentos ritmados, comecei a aumentar a intensidade dos meus impulsos, e também Diana começou a empurrar o seu corpo contra o meu, fazendo-me penetrar nas suas profundezas, e pouco depois atingiamos o tão desejado Climax. Eu retirei o meu sexo de dentro dela num movimento brusco, e vim-me nas suas nádegas enquanto via o Carlos também aumentar o ritmo das suas estocadas de encontro ao teu corpo que se contorcia em mais um orgasmo intenso, e também ele se veio em grandes jorros de esperma pelas tuas costas e nádegas, que Diana se encarregou de limpar om a sua lingua, enquanto te massajava ao de leve o clitóris com a mão e tu ias gozando os ultimos espasmos provocados pelo seu toque.
Deixámo-nos ficar deitados na areia, recuperando e gozando o momento. Devido ao suor dos nossos corpos a areia alojou-se em nós e decidimos tomar um banho naquela água aquecida pelo calor do sol trópical, completamente nus, e eu abracei-te com intensidade, sentindo os teus seios espalmarem-se no meu peito. Sentindo o teu corpo molhado no meu. És minha. E eu sou teu.


Mar (a partilhar)

Foto-montagem. Paisagens retiradas da Net