EM MANUTENÇÃO

sexta-feira, 7 de setembro de 2007

Porto-Seguro, Parte II

Diana deitou a cabeça para trás, desfrutando do toque da tua lingua no seu corpo: -Então não pares.- Disse-te, ao mesmo tempo que voltou a guiar-te em direcção dos seus seios redondos.
Nós olhámos um para o outro, sorrindo.
- Isto é lindo.- Disse eu para o Carlos. Ele concordou, enquanto enchia de novo os nossos copos, e ficámos ali a apreciar aqueles dois corpos a acariciarem-se mutuamente, numa dança plena sensualidade e partilha de prazer.
- E que tal se nos juntássemos a elas?- Solicitou Carlos, esvaziando o seu copo de uma vez. Eu acenei concordando, mas demorei alguns instantes, de modo a poder apreciar agora a partilha em forma de trio.
Ele chegou perto de Diana e beijou-a, enquanto Tu lhe beijavas os seios. Apercebendos-te da chegada de Carlos, Tu unis-te-te a eles entrelaçando as vossas linguas num beijo a três. Foi depois a vez de Diana vos deixar unidos naquele beijo, e pegando nos Teus seios juntos entre as suas mãos, lambeu-os gulosamente, passando a sua lingua em volta dos mamilos enrijecidos pela excitação que Te percorria o corpo.
Eu aproximei-me de vocês, e peguei em Ti por trás, fazendo as minhas mãos percorrerem as Tuas ancas, a Tua cintura, e dirigirem-se para os Teus seios que agarrei com força, apertando-os entre os meus dedos. Nesta altura já Diana percorria a Tua barriga com a sua lingua, explorando o Teu umbigo, a Tua cintura, numa descida progressiva e lenta. Ao mesmo tempo as suas mãos puxavam a Tua saia curta para baixo, deixando as Tuas nádegas desnudas na minha frente. Para si abria-se agora uma nova frente a explorar, e a sua lingua não perdeu tempo, percorrendo a linha da cueca de ambos os lados, e descendo até às coxas. Tu fazias movimentos descontrolados, empurrando o Teu rabo contra o meu sexo já rijo e enclausurado pelos calções, ou rebolando as ancas para a frente na direcção da boca de Diana, ao mesmo tempo que deitavas a cabeça para trás, oferecendo-me o Teu pescoço que eu beijava carinhosamente. Carlos perdia-se nos Teus seios quando eu senti que me puxavam os calções para baixo, libertando o meu sexo daquela prisão, e a mão de Diana envolveu-o delicadamente, guiando-o para o calor da sua boca, onde desapareceu por completo.
Carlos por sua vez já tinha baixado a Tua tanguinha, e lambia gulosamente o Teu sexo, o que fazia com que Tu encostasses a Tua cabeça em mim, desfrutando das sensações que a lingua dele Te provocavam. Eu beijei-Te enquanto Te apertava os seios com uma mão e com a outra segurava a cabeça de Diana que estava entretida a chupar o meu sexo.
Diana levantou-se, beijou-me a mim e depois a Ti, e ficaram a acariciar-se mutuamente, enquanto eu desci pelo seu corpo, passando pelos seus seios, mordendo os mamilos espetados, passando pela barriga e afundando-me no meio das suas pernas, naquele recanto delicioso do seu corpo feminino, envolvento o seu clitóris com a minha lingua, ao mesmo tempo que um dedo se ia perdendo no seu interior. Vocês gemiam baixinho, e entrelaçando as vossas linguas num beijo molhado. As vossas mãos percorriam os corpos uma da outra, enquanto nós degustávamos os sucos dos vossos corpos.
Os Teus gemidos começaram a tornar-se mais descontrolados, e eu percebi que já não demoravas a vires-te, e metendo dois dedos no sexo de Diana, aumentei o ritmo dos movimentos, enquanto chupava e lambia o seu clitóris. Senti o seu corpo a vibrar, enquanto apertava as suas coxas, explodindo também ela num orgasmo ao mesmo tempo que Tu.
Vocês colocaram-se então de quatro, viradas de frente uma para a outra, e nós penetrámo-las. Eu via a Tua cara de prazer a receber o sexo de Carlos dentro de Ti. Tu olhavas-me nos olhos enquanto enquanto eu me afundava em Diana, e ficámos ali ligados um ao outro pelo gosto inexplicável de partilhar momentos únicos, naquela praia deserta, naquele lugar mágico...
Vendo-te a rebolar no sexo de Carlos, enquanto as suas estocadas provocavam em ti movimentos ritmados, comecei a aumentar a intensidade dos meus impulsos, e também Diana começou a empurrar o seu corpo contra o meu, fazendo-me penetrar nas suas profundezas, e pouco depois atingiamos o tão desejado Climax. Eu retirei o meu sexo de dentro dela num movimento brusco, e vim-me nas suas nádegas enquanto via o Carlos também aumentar o ritmo das suas estocadas de encontro ao teu corpo que se contorcia em mais um orgasmo intenso, e também ele se veio em grandes jorros de esperma pelas tuas costas e nádegas, que Diana se encarregou de limpar om a sua lingua, enquanto te massajava ao de leve o clitóris com a mão e tu ias gozando os ultimos espasmos provocados pelo seu toque.
Deixámo-nos ficar deitados na areia, recuperando e gozando o momento. Devido ao suor dos nossos corpos a areia alojou-se em nós e decidimos tomar um banho naquela água aquecida pelo calor do sol trópical, completamente nus, e eu abracei-te com intensidade, sentindo os teus seios espalmarem-se no meu peito. Sentindo o teu corpo molhado no meu. És minha. E eu sou teu.


Mar (a partilhar)

Foto-montagem. Paisagens retiradas da Net

7 comentários:

Horácio Lobo disse...

Adorei a maioria dos vossos textos! Excelente! Vou linká-los...

Borboleta Endiabrada disse...

adoro sempre os vossos textos... geniais!!
beijinhos endiabrados

luafeiticeira disse...

Parece-me que vão levar mais pessoas para o swing. Se procurarem nos meus primeiros posts hão-de encontrar textos swing também.
jocas

Borboleta Endiabrada disse...

andais muito desaparecidos...

beijinhos endiabrados

esfomeada disse...

Para quando outro post ????

carpe vitam! disse...

que convivências apetitosas...

luafeiticeira disse...

Que expressão idiomática mais utilizas? Beijos sem caruncho